sexta-feira, 23 de maio de 2014

Renuncia e Felicidade

Só quem está disposto a perder tem o direito de ganhar. 
Só o maduro é capaz da renúncia. 
E só quem renuncia aceita provar o gosto da verdade, seja ela qual for.

Viver é renunciar porque viver é optar e optar é renunciar.

Renunciar à onipotência e às hipóteses de felicidade completa, plenitude etc é tudo o que se aprende na vida, mas até se descobrir que a vida se constrói aos poucos, sobre os erros, sobre as renúncias, trocando o sonho e as ilusões pela construção do possível e do necessário, o ser humano muito erra e se embaraça, esbarra, agride, é agredido.

Eis a felicidade possível: compreender que construir a vida é renunciar a pedaços da felicidade para não renunciar ao sonho da felicidade.

Artur da Távola